Fork me on GitHub

Coleções

This translation is up to date.

Listas, tuplas, listas de palavras-chave e mapas.

Sumário

Listas

As listas são simples coleções de valores que podem incluir múltiplos tipos; listas também podem incluir valores não-exclusivos:

iex> [3.14, :pie, "Apple"]
[3.14, :pie, "Apple"]

Elixir implementa listas como listas encadeadas. Isso significa que acessar a profundidade da lista é uma operação O(n). Por essa razão, é normalmente mais rápido inserir um elemento no início do que no final.

iex> list = [3.14, :pie, "Apple"]
[3.14, :pie, "Apple"]
iex> ["π"] ++ list
["π", 3.14, :pie, "Apple"]
iex> list ++ ["Cherry"]
[3.14, :pie, "Apple", "Cherry"]

Concatenação de listas

A concatenação de listas usa o operador ++/2.

iex> [1, 2] ++ [3, 4, 1]
[1, 2, 3, 4, 1]

Uma pequena nota sobre o formato de nome (++/2) usado acima. Em Elixir (e Erlang, sobre o qual Elixir é construído), o nome de uma função ou operador tem dois componentes: o nome em si (neste caso ++) e sua aridade. Aridade é uma parte central quando se fala sobre código Elixir (e Erlang). Indica o número de argumentos que uma dada função aceita (dois, nesse nosso exemplo). Aridade e o nome são combinados com uma barra. Iremos falar mais sobre isto mais tarde; este conhecimento irá ajudá-lo a entender a notação por enquanto.

Subtração de listas

O suporte para subtração é provido pelo operador --/2; é seguro subtrair um valor que não existe:

iex> ["foo", :bar, 42] -- [42, "bar"]
["foo", :bar]

Esteja atento para valores duplicados. Para cada elemento na direita, a primeira ocorrência deste é removida da esquerda:

iex> [1,2,2,3,2,3] -- [1,2,3,2]
[2, 3]

Nota: subtração de listas usa comparação estrita para match de valores.

Topo / Cauda

Quando usamos listas é comum trabalhar com o topo e o fim da lista. O topo é o primeiro elemento da lista e a cauda são os elementos restantes. Elixir provê funções úteis, hd e tl, para trabalhar com essas partes:

iex> hd [3.14, :pie, "Apple"]
3.14
iex> tl [3.14, :pie, "Apple"]
[:pie, "Apple"]

Além das funções citadas, pode-se usar pattern matching e o operador cons | para dividir a lista em topo e cauda; veremos este padrão em futuras lições:

iex> [head | tail] = [3.14, :pie, "Apple"]
[3.14, :pie, "Apple"]
iex> head
3.14
iex> tail
[:pie, "Apple"]

Tuplas

As tuplas são similares às listas porém são armazenadas de maneira contígua em memória. Isto permite acessar a sua profundidade de forma rápida porém sua modificação é custosa; a nova tupla deve ser armazenada inteira na memória. As tuplas são definidas com chaves.

iex> {3.14, :pie, "Apple"}
{3.14, :pie, "Apple"}

É comum usar tuplas como um mecanismo que retorna informação adicional de funções; a utilidade disso ficará mais aparente quando vermos pattern matching:

iex> File.read("path/to/existing/file")
{:ok, "... contents ..."}
iex> File.read("path/to/unknown/file")
{:error, :enoent}

Listas de palavras-chave

As listas de palavras-chave e os mapas são coleções associativas no Elixir; ambas implementam o módulo Dict. No Elixir, uma lista de palavras-chave é uma lista especial de tuplas de dois elementos cujo o primeiro elemento é um átomo; eles compartilham o desempenho das listas:

iex> [foo: "bar", hello: "world"]
[foo: "bar", hello: "world"]
iex> [{:foo, "bar"}, {:hello, "world"}]
[foo: "bar", hello: "world"]

As três características relevantes das listas de palavras-chave são:

Por essas razões as listas de palavras-chave são frequentemente usadas para passar opções a funções.

Mapas

Em Elixir, mapas normalmente são a escolha para armazenamento chave-valor. A diferença entre os mapas e as listas de palavras-chave está no fato de que os mapas permitem chaves de qualquer tipo e não seguem uma ordem. Você pode definir um mapa com a sintaxe %{}:

iex> map = %{:foo => "bar", "hello" => :world}
%{:foo => "bar", "hello" => :world}
iex> map[:foo]
"bar"
iex> map["hello"]
:world

A partir do Elixir 1.2, variáveis são permitidas como chaves do mapa:

iex> key = "hello"
"hello"
iex> %{key => "world"}
%{"hello" => "world"}

Se um elemento duplicado é inserido no mapa, este sobrescreverá o valor anterior;

iex> %{:foo => "bar", :foo => "hello world"}
%{foo: "hello world"}

Como podemos ver na saída anterior, há uma sintaxe especial para os mapas que contém apenas átomos como chaves:

iex> %{foo: "bar", hello: "world"}
%{foo: "bar", hello: "world"}
iex> %{foo: "bar", hello: "world"} == %{:foo => "bar", :hello => "world"}
true

Além disso, existe uma sintaxe especial para acessar átomos como chaves:

iex> map = %{foo: "bar", hello: "world"}
%{foo: "bar", hello: "world"}
iex> map.hello
"world"

Outra propriedade interessante de mapas é que eles têm sua própria sintaxe para atualizar e acessar átomos como chaves:

iex> map = %{foo: "bar", hello: "world"}
%{foo: "bar", hello: "world"}
iex> %{map | foo: "baz"}
%{foo: "baz", hello: "world"}

Contributors

loading...



Compartilhe essa página